Ocorreu um erro neste dispositivo

segunda-feira, fevereiro 06, 2006

caricaturas

Publiquei há dias neste blog uma vinheta de humor cristão, da reverendfun. Ofende?
Lembrei-me disto a propósito da publicações de caricaturas de Maomé (Muhammad), profeta do Islão, num jornal dinamarquês primeiro, e de outros países depois, e da reacção dos muçulmanos em todo o mundo, quer das multidões, quer das lideranças religiosas, com o beneplácito das autoridades políticas dos respectivos países.
Não é politicamente correcta a minha reflexão, mas tenho de a fazer. Admito que a liberdade de expressão possa ter os limtes do bom senso, do decoro, do respeito pela reputação e convicções dos outros e da boa educação. Não quero contribuir para um choque civilizacional, pois carecemos antes do esforço no sentido contrário, mas como pode capitular perante tanta susceptibilidade do Islão? Pediram os muçulmanos perdão pelas persesuições de que são alvo, nos seus países, todos quantos não professem a sua religião, designadamente os cristãos? Pediram desculpas pela forma torpe como ridicularizam Israel na sua imprensa (e não defendo aqui Israel, pois esta nação não é especial, é como as demais, ímpia, pois não está em Cristo)? Pelos seres humanos que mandam em série pelos ares com bombas? Pela forma como tratam as mulheres? Pelo assassínio de um cineasta holandês por um muçulmano no país que o recebeu, e que é conhecido pela tolerância mais liberal do Ocidente, precisamente a Holanda? E vejam-se as exigências e pressões que os muçulmanos residentes na Europa colocam, nas nações onde vivem, à sua especificidade de cultura, como a exigência do direito de usar véu. E é coisa que não contesto, que admito como direito legítimo.
Mas como entender esta dualidade? Querem do Ocidente o que eles mesmos lhe negam. Tomam a nuvem por Juno, confundem a liberdade de imprensa exercida por meia dúzia de jornais europeus com os países europeus, com os cidadãos europeus, com os governos europeus, com a União Europeia. Esquecem-se duma assentada da ajuda humanitária que a União Europeia envia para os árabes da Palestina, e do tradicional pacifismo e bom relacionamento dos países escandinavos têm tido com os países árabes e muçulmanos e desatam a queimar bandeiras e a destruir embaixadas! Sim, as massas ignaras — poder-se-á dizer. Mas que fazem os esclarecidos líderes desses países e dessa religião? Será o seu esclarecimento maior do que o das massas? Talvez lhes importe, por motivos de manutenção de influência, que as massas permaneçam ignorantes fanatizadas.
Contudo, tudo isto não deixa de me fazer pensar que, em boa medida, usam a tíbia tolerância do Ocidente para impor a sua intolerância se comportam como quem vomita na mão que o alimenta.
Entendo que o Ocidente deve fazer valer os seus argumentos, sem dobrar a sua cerviz às susceptibilidades do Islão. Porque haverá o mundo de ser refém do temperamento iracundo desse Islão? Onde está reciprocidade do respeito, do respeito que se deve entre iguais? De que nos havemos de envergonhar? Somos como somos, pela graça de Deus ou sem ela — mais sem ela, pois Deus está ausente da cultura, da intelectualidade, da governação e até da Constituição europeias. Não o somos contra o Islão. O problema em tudo isto chama-se crónica dependência ocidental do petróleo…

Tenho pena que o Islão (ou certo Islão, quiçá o maioritário) queira ser Islão contra o Ocidente. Que isto não ajude a esquecer a feliz experiência de vanguarda nas ciências, nas técnicas, na arte, na cultura, na poesia, na tecnologia, no desenvolvimento, na língua, na civilização e no requinte dos Árabes e do Islão do passado. Em especial os sete séculos de tolerância, boa vizinhança no espaço europeu chamado Península Ibérica, quando o resto do continente vivia o subdesenvolvimento da Idade Média bárbara.

2 comentários:

Catarina disse...

Realmente, não percebo porque é que ninguém diz nada quando fazem um filme a dizer que Jesus é gay, e depois há um grande espalhafato quando Maomé é caricaturado.
Se há liberdade de expressão para uns, tem de haver para os outros.
A verdade é que os Islão aproveita qualquer coisa para atacar o Ocidente.

Anónimo disse...

Obrigado por intiresnuyu iformatsiyu