Ocorreu um erro neste dispositivo

segunda-feira, janeiro 27, 2014

JUSTAMENTE

JUSTAMENTE

“… e justamente quando
já não eram precisos
apareceram os poetas à procura…”
Mário Cesariny, “Uma certa quantidade”


justamente — dizes
são os poetas, os que caem e vêm à procura
em cada pedra o sol
gente, pássaros de regresso ao Norte
do que já não precisamos, do que já temos

a pólvora, a gente, a agitação das ondas
a perturbação da areia
a fugir

justamente — dizes
são os poetas, os que aparecem de repente
quando já
não eram requeridos,
quando já
foram, estão substituídos
quando já a comida tem sal
que chegue, mas para que precisamos do sal
afinal, se nem temos o vinho?

justamente — dizes
são os poetas, os que doem
e fingem aqui e acolá, que não
cantam, mas emitem pássaros
que cantam por eles


quando já não são precisos
quando são poetas

Rui Miguel Duarte


23/01/13

Publicado ineditamente em Poeta Salutor

Sem comentários: