Ocorreu um erro neste dispositivo

quinta-feira, outubro 20, 2011

EXTENSÃO

“…para amar queria a terra toda, para morrer bastam-me os flancos do silêncio”
Eugénio de Andrade, “Seja isto dito assim” (Memória doutro rio)

para navegar 
toda a água é oceano 
e o astrolábio é navio
para cantar todo o corpo 
é peito e fornalha na voz

se quero rir tiro a máscara antiga
se quero sonhar estendo o coração
para lá das ruínas 

para morrer tão pouco me basta
que os olhos se calem sobre o teu flanco

para te amar uma ilha é ainda pouco
só me chega a terra toda

09/10/11

Sem comentários: