Ocorreu um erro neste dispositivo

quinta-feira, novembro 25, 2010

PAULO DE TARSO NA PRISÃO

“… A golpes de paixão, tento passar…”

Miguel Torga, “Emparademento” (in Orfeu Rebelde)


Emparedado tentei

já desfazer as cadeias

que me puseram no degredo

as mãos e os pés

estão unidos com os ferros

e transmitem à boca o pedido

de um grito

que a noite eleve

para lá das grades

ao terceiro céu, e que

me traga a frescura do consolo


pois sei que as cadeias não são negociáveis

para os que seguem Cristo,

nem tão pouco feitas perpétuas

ou elas cedem, ou o muro cede

doem afinal ainda menos

do que o desespero

de se terem incrustado

nas mãos e nos pés,

do que um destino tumular


das cadeias do meu avesso,

que me esmurra

como um doido varrido e que

a golpes de paixão, tento passar


é aí, no recesso

que mais emparedado estou


por durante um minuto

ter desaprendido

de cantar


16/11/10

Sem comentários: