Ocorreu um erro neste dispositivo

domingo, agosto 15, 2010

RACIONALIDADE DO ATEÍSMO

Antes de os meus amigos cristãos me apedrejarem, esclareço que este título não representa propriamente uma concordância com um tal axioma. Pode designar apenas o assunto do presente texto, e que o autor, cristão, se pretende discutir. No entanto, sempre o autor pode admitir que mesmo nos antípodas, no ateísmo, há racionalidade. E também pode avançar duas restrições: embora assim admita, não há toda a racionalidade da parte dos ateus nem eles sempre são racionais, nem a racionalidade esgota todas as possibilidades de compreensão do mundo e o discurso sobre a mesma.
Esta reflexão prende-se com a natureza do Homem. A verdade é mais do que uma vez, quer através de conversas pessoais, quer de leituras em oblíquo em páginas na internet, se lhe deparou a contestação ateísta à alegada da criação do Homem por Deus, como sua imagem e semelhança, como defende o Cristianismo e está exarado na Bíblia. Em contrapartida, o Homem seria mesmo o pior, a coisinha mais ruim da criação. Ora, o autor subscreve por inteiro esta afirmação. E acrescenta que tal noção está igualmente na Bíblia. Ora, se os ateus não a lêem, ou só o fazem para nela provarem que não há Deus e que ela é um armazém confuso de contradições, o autor destas linhas pergunta onde terão achado esta ideia. Se a têm, é bom, mostra que, ao menos neste domínio, têm boa intuição. E acabam por dar razão à Bíblia, na qual não crêem e a qual não passa de uma amálgama de historietas e fábulas. Como?
É que nesta, pese embora se declare que o Homem é efectivamente imagem e semelhança de Deus, é-o não para o alçar a um pedestal de ídolo a honrar, mas porque essa foi a determinação divina, uma prerrogativa do Seu arbítrio que assim decidiu honrar a criatura. A glória é pois do Criador e não desta. E mais ainda: esse livro da carochinha é tudo menos meigo com essa criatura hedionda. Chama-lhe caída, corrupta, má, egoísta, inimiga de Deus, merecedora de ira e castigo divinos, e outros mimos. Embora seja preciosa aos olhos de Deus, porque criada por Ele. Como uma obra de arte é preciosa ao artista que a fez.

Temos, pois, que esses ateus querem ser humanistas: o homem como centro, acima de todas as coisas e medida de todas a coisas, das que são enquanto são e das que não enquanto não são, segundo o axioma do sofista Protágoras de Céos. O Humanismo (ou o Humanismo secular, como lhe chamam) é a sua doutrina. E isto suscita ao autor destas linhas uma questão, que ele tem de colocar, pois é inevitável, embora pedindo licença para o fazer, não vá ofender a laicidade que todos devemos confessar: se o Homem é a pior coisinha da Terra, como pode haver um Humanismo e ser essa nefasta criatura a medida de todas coisas? E outra pergunta ainda, partindo da mesma premissa: se o Homem é a pior coisinha da Terra, não estão incluídos os próprios ateus? Pois silogisticamente é necessário concluir que, sendo os ateus igualmente homens, são eles mesmos uns bichos peçonhentos. E o autor, sendo homem, também o é, coisa que ele, crendo na Bíblia, assume à partida. Nesse caso — outra pergunta, é incontornável — não será melhor esses ateus humanistas suicidarem-se? O que seria um sacrifício altruísta para bem de todas as demais criaturas e da Mãe Natureza (uma divindade adorada pelos ateus?), pois assim livrariam a Terra da sua peçonha.

Chegam ao ponto, esses ateus, de trocar a expressão optativa "se Deus quiser", por outra, mais humanista e ateia, "se eu quiser". Não por temor religioso, o autor destas linhas permite-se ao menos invocar a mais elementar razoabilidade. Pois ninguém, ateu ou religioso, pode dizer: "Amanhã vou à bola, se eu quiser". Pois nenhuma cabeça, religiosa ou empedernidamente, está livre de que ao sair de casa lhe suceda como ao George Clooney, e que um piado vindo do 3.º andar lhe caia em cima!

O Humanismo secular é pois um sucedâneo mal amanhado, na opinião modesta mas correcta do autor destas linhas. Ele prefere o Humanismo clássico, cristão, classicista, que frutos muitos mais doces, intelectuais e literários, deixou.

Sem comentários: