Ocorreu um erro neste dispositivo

segunda-feira, junho 27, 2011

ÊXODO

“E um silêncio talhado
para o voo de um moscardo”
Eugénio de Andrade, “Paisagem”

vimos tudo o que se passou
como talhou
o silêncio à lâmina precisa
de voos de moscardos
empalideceu o céu picou-o
em milhões de pedras
que choveram sobre a areia
vagas de assalto de gafanhotos
a mastigarem a terra
vimos como deu às águas
a essência do sangue
vimo-lo na face de todas as pragas

até que encheu de vazio
a herança do Faraó
então vimos como talhou
o fundo do mar para a marcha

e nós passámos
inteiros

26/06/11

quinta-feira, junho 16, 2011

ADORMECI

ADORMECI




adormeci com os lábios encostados
à noite nela procurei entender
o tamanho do encanto dos teus seios
as tuas glórias, orgulhos de mulher
se o tomou da noite ou se esta
recebeu deles a cor e o mistério 


adormeci na certeza de que 
os lábios os teus também se encostam
e procuram o meu peito
a minha glória, orgulho de homem


adormecemos com os lábios incrustados
no que no outro há de orgulho e de glória
de homem e de mulher
à procura da palavra que os consuma
da língua treinada 
nos gestos vigorosos
do silêncio 


15/06/11

quinta-feira, junho 02, 2011

DONDE ME CHEGAM OS VERSOS?



donde me chegam os versos?
dum peso que tritura os ombros
a pluma e cai na língua toda
e se imiscui nos dentes?
não, chegam com côdea
embora de miolo isenta
como pão inacabado às mãos

dizem que o coração os dá
mas que o poeta não os sente
como um feto crescido fora do útero
é no parto que nele entra
e lhe enche os ossos e lhe navega
nas naus do sangue?

os versos de corpo inteiro
quando nascem é para dentro

2/06/11

A CRIANÇA

A criança acabada de nascer 
tem a vida toda pela frente
como um oceano sem mesura

tem todas as estrelas por tecto
e por céu ainda outras estrelas
de que ninguém suspeita
nem os profetas nem as sibilas 
as revelaram pois não as conhecem

ela tem já mundos de sonhos 
por trás dos olhos embora
ainda durmam
pois deixai-os dormir
até que a palavra de Deus 
lhes desperte a face

30/05/11