Ocorreu um erro neste dispositivo

domingo, janeiro 25, 2009

Respica te, Barack Obama


O meu amigo João Tomaz Parreira destas andanças publica um poema dedicado a Barack Obama. Nele, confirma o seu sentimento de esperança suscitado pela eleição histórica afro-americano para a Presidência dos Es.tados Unidos da América, expresso dias antes num texto em prosa publicado aqui . Obama é o seu novo "ídolo" depois de J. F. Kennedy

Essa esperança não é justificada pela etnia do homem — o que em si mesmo é circunstância é motivo de júbilo, por a América, a nação que se diz a mais livre e igualitária da Terra com isto na sua generalidade (à excepção das minorias supremacistas brancos saudosos da era antes de Lincoln, que se deseja se tornem mais e mais minoritários) ultrapassar tabus e preconceitos como o de a cor da pele ser factor indicativo do grau de humanidade. Mais ainda: de com isto abrir um feliz precedente: em futuras eleições, porque não sonhar com a eleição de um Presidente de origem hispânica, ou índia. As nações e tribos índias foram os primeiros americanos, e dos mais excluídos do sonho americano. Assim a América pode aspirar a cumprir a declaração de princípios da sua Constituição e leis, formulada pelos Pais fundadores (religiosamente deístas) e antes mesmo pelo grupo cristão dos peregrinos embarcados do porto inglês Southhampton no navio Mayflower e chegados ao porto americano de Plymouth, em 1620, auto-exilados de Inglaterra por motivos religiosos, em busca de um lugar em que pudesse livremente viver e servir Deus num espírito e ética biblicamente fundados, que deram o exemplo de convívio fraterno com outros povos. "Liberty and Justice for all!"
O que mais atrai em Obama não é tanto essa circunstância de ter uma cara mais morena. É a revelação do seu carácter, ornado por uma "belíssma retórica identificativa", que nos "implica a todos", como escreve João Tomaz Parreira. A gentileza, o espírito de paz, da convivência tranquila das diferenças entre pessoas de bem e bom senso, de defensor da igualdade de oportunidades e prosperidade para todos. E foi isto que cativou milhares de milhões em todo o planeta, e os encheu de esperança. Um discurso novo, um sorriso novo, um estilo novo, agastados que estávamos todos com George W. Bush, o tosco e bruto adolescente fazedor de problemas e semeador de ventos. Se a mudança poderia vir para a nação americana, essa mudança repercutir-se-ia em todo o mundo. Pois tudo o que se passa, diz e faz na e da América se propaga para o mundo todo (ver o exemplo da actual crise financeira mundial). Mesmo em remotas terras de Trás-os-Montes
A esperança em Obama tornou-se a esperança de todo o planeta e converteu-se em Obamamania. E esta elevou o homem à categoria de salvador. Uma reportagem nas ditas terras de Trás-os-Montes, que vi num serviço informativo da SIC-Internacional são paradigmáticos disso. Pessoas havia nessas terras que expressavam ter fé em Barack Obama. E a uma pergunta do (ou da, não me lembro) repórter, responderam que o viam como salvador. O seu discurso inclusivo, inspirado numa concepção holística do planeta como casa de todos, na qual todos devemos (independentemente da religião, opções políticas, etc.) viver em boa vizinhança e cooperando para o bem de todos, favorece a criação dessa imagem de salvador, de novo Messias.
Entre as reacções conhecidas dos líderes políticos internacionais, uma destoou, a do Primeiro-Ministro russo, Vladimir Putin. Disse ele: "as grandes desilusões provêm das grandes esperanças". Este é o tipo de ideia e de frase que ninguém, na esperança colectiva, quer ouvir nem pensar. Cristãos evangélicos como João Tomaz Parreira, assim como certamente muitos na América, olham Obama com esperança, mas outros há que, com o faro sempre pronto e apurado para detectar os odores do Anticristo em todo o novo líder religioso, político e empresarial mundial que surja, o vêem nada mais nada menos como essa personagem sinistra e misteriosa cuja manifestação a Bíblia anunciara (por exemplo, aqui). Será Obama esse enganador com pele de cordeiro e corpo e boca de lobo? Estou certo de que não, e a Bíblia fala de um espírito de Anticristo, e de muitos anticristos, que já se manifestavam no tempo em que João escreveu as suas cartas. E não é nada certo que se trate de um homem, ou que os cristãos (evangélicos) tenhamos que basear a sua agenda pelo seu suposto advento (e sei que muitos evangélicos ditos "dispensacionalistas" discordarão de mim). Nem que seja tão pouco o seu oposto, o Messias, que esse só há um, Jesus Cristo, o ressurrecto Filho de Deus, cujo regresso eu e muitos esperam. Não dou, portanto, para este peditório.

Mas é algo em que devemos pensar. Aquilo que devemos fazer fazer é ser sensatos, ser sábios — uma exigência de Deus. Barack Obama não vai salvar o mundo. Nem levá-lo ao cataclismo da "grande tribulação". Nem creio que ele se julgue a si mesmo como salvador do mundo, mas dou-lhe o benefício da dúvida de acreditar que ele pensa de si mesmo ser alguém que quer deixar boa influência no mundo, como a sua função lho permitir. Um sentimento que muitos seres humanos partilham, seja qualquer for a sua religião.
Como é geral entre os Presidentes dos Estados Unidos da América, declara-se cristão. Apesar de os seus ascendentes terem sido muçulmanos. O seu pai tornou-se ateu. Mas tem defeitos, enquanto cristão. Com efeito, não é possível dizer quantos foram cristãos genuínos, daqueles cuja vida se resume m Cristo, em obedecer a Cristo, em viver Cristo, em pensar o que Cristo pensa e fazê-lo acontecer. Como escrevi, numa postagem de 21 de Agosto, intitulada "Os candidatos e as suas religiões":

"Todos se declaram evangélicos, mas as suas obras deixa muito perplexo e confuso quando à genuinidade da sua fé. No caso do presidente actual ou passados, George W. Bush foi eleito duas vezes com o apoio da maioria dos evangélicos. Confessa Cristo Jesus como Senhor e Salvador. Defende a pena de morte. Empreendeu uma guerra (no Iraque) com base numa mentira (a existência de armas de destruição), inspirado supostamente por Deus, mas que resultou num pântano. Quando Deus age e ordena uma acção, funciona e resulta restauração e estabilidade, não confusão. Jimmy Carter, ex-presidente democrata, embora evangélico, situa-se do outro lado da barricada política.
Bill Clinton igualmente se declarou evangélico baptista. Cometeu adultério e apoiou a liberdade do recurso ao aborto como opção.
Dos actuais candidatos, John McCain é conservador quanto ao aborto e à união matrimonial homossexual, e promete prosseguir a política externa de Bush. Barack Obama, se promete mudar a política externa, é liberal quanto ao aborto e defende o direito ao casamento homossexual."

E certamente que a maioria deles crê que Deus criou… a evolução. Pesados os prós e contras dos presidentes americanos e de candidatos a presidentes, qual deles é o mais cristão? Qual deles é menos convicto e radical seguidor de Cristo? Qual deles defende ideias e pratica acções mais abomináveis aos olhos de Deus? Não sei. Por isso — concluía eu nessa postagem — eu teria dificuldades em escolher em quem votar, se fosse cidadão americano e cristão evangélico.

Quem é pois Barack Obama? Nada mais do que um homem. É necessária esta circunspecção. Nem um semi-deus messiânico salvador do mundo nem um hediondo demónio. Não um ídolo (e sei que João Tomaz Parreira usa o termo conotativamente, no sentido em que o adolescente que foi o teria usado em relação a J. F. Kennedy — ou qualquer adolescente o usaria em relação a um jogador de futebol, cantor ou guerrilheiro revolucionário —, pois como cristão evangélico é insuspeito de idolatria). E é assim que todo o planeta o deveria ver. E como homem que é, tem defeitos e podres, falhará e desiludirá. E não uma vez apenas. E é certo que não cumprirá tudo o que propõe em todas a as área. Pessoalmente, espero um progresso: o de recolocar a praxis americana numa base de concerto com as outras nações, ainda que se julgue primeira entre iguais. De restaurar uma certa decência e legalidade, em coisas tão simples como não iniciar uma guerra a qualquer preço e de extinguir a vergonha de Guantánamo, como já decretou. Para que aqueles prisioneiros sejam efectivamente julgados pelos tribunais, quer estes provem ou não que são culpados de terrorismo. Foi o primado do Estado de Direito que fez a presunção da superioridade da civilização ocidental sobre as demais, consideradas mais brutais e arbitrárias na justiça e na defesa dos direitos humanos. Se Barack Obama se concentrar e conseguir pelo menos isto, será já digno de registo. Merecerá aplausos humanos de todo o lado e limpará a imagem da sua nação. Quanto ao mais, no entanto, a defesa dos interesses da sua nação será a sua prioridade. Quanto estes forem incompatíveis ou colidirem com os de outras nações ou grupos de nações, será o seu país que escolherá. Como assim foi com os seus predecessores. Não nos iludamos quanto a isso — para não nos desiludirmos demasiado.

Seria bom o Presidente eleito dos Estados Unidos da América ter um criado ou secretário com licença para o advertir em particular dessa verdade, no momento do desfile após o juramento. A exemplo da Roma antiga pagã. Num mundo em que os deuses eram humanos nas paixões e na aparência e se misturavam com os seres humanos deixando mestiços entre eles, não seria raro um general regressado vitorioso de uma campanha militar ser tentado a deixar-se possuir pela vaidade de um momento de sucesso e achar-se igual aos deuses ou até filho de um deus, por orgulho pessoal ou porque outros a isso o tentassem. Júlio César começou o que o seu sobrinho-neto Octaviano Augusto consumou: a glorificação da sua estirpe familiar pela redescoberta da sua ascendência divina, que remontaria ao princípio troiano Eneias e à mãe deste, a deusa Vénus. Ao general vitorioso esperava, pois, a honra de uma parada na capital do império, o triunfo, o seu exército exibindo o orgulho da sua disciplina e armamento, os prisioneiros de guerra (de preferência os chefes dos inimigos vencidos) e os despojos em exposição pública. Segundo é tradição, o general desfilava de pé, numa quadriga conduzida por um escravo pessoal, que lhe segredava os tais conselhos de temperança:
— Respica te, hominem te memento "Vira o teu olhar para ti próprio, lembra-te que és apenas um ser humano".

sábado, janeiro 10, 2009

Esmeralda…


Foi dada a sentença final ao caso Esmeralda, que tanto atraiu, entusiasmou e dividiu a opinião pública. A favor do pai "biológico", confirmando sentença já com quase cinco anos.
Confesso que fui daqueles que, desde o início, teve simpatia pela casal de pais "adoptivos". Acolher uma criança abandonada pelos progenitores, recebê-la como sua, dar-lhe uma casa e cuidados parentais é em si mesmo um acto cuja dignidade e beleza dispensam encómio. O pai "biológico" aparecia aos olhos da opinião pública como um daqueles homens que conhecem uma gaja, dão-lhe uma queca sem protecção e que mal o sol nasce dão às de vila-Diogo. A mãe "biológica", uma daquelas mulheres sexualmente emancipadas, que não rejeitam uma noite de prazer quando as hormonas fervem. E uma gravidez surge, consequência indesejada de uma noite de libertinagem. Como uma cárie em quem exagera nos doces. Por causa disso, há quem aborte!
A imagem transmitida era grosso modo esta. Maniqueísta quanto baste. De um lado os bons e generosos, do outro os maus.
Os pais "adoptivos" cometeram rapto da criança, para não terem de cumprir uma sentença que determinava a entrega da menina ao pai "biológico" . Mesmo assim, tal acto suscitou onda de simpatia.
Mas uma ideia começou a ver à minha mente: não teria o pai "biológico" o direito ao arrependimento? Como todo o ser humano? Se de início duvidava da paternidade (a mãe biológica, afinal, prostituía-se), ou não a desejava assumir, não mereceria a oportunidade de mudar de ideia, não poderia o seu coração ter-se deixado apoderar pelo sentimento de paternidade? Lutar pela custódia da filha, com unhas e dentes, fazer o legalmente possível e impossível para reconquistar o afecto da filha seriam a tradução de uma reviravolta interior. E dignas de compreensão, quando não de solidariedade. E os pais "adoptivos" insistiam, praticaram rapto, insistiam, possessivos, em reclamar para si a custódia, o que também não deixa de ser compreensível, pois tinham ganho afecto à menina. E o processo arrastou-se.
Presentemente, pois, tenho outra visão do caso. Já não o vejo a preto e branco. E considero a sentença agora exarada como justa, sensata e equilibrada. O pai "biológico", que com toda a certeza aprendeu a amar a filha, é quem fica com ela. Como deve ser. E prevê-se um regime de visitar por parte da família "adoptiva". Esta não fica de todo desligada da história da vida da menina, porque fará para sempre parte dela. E será bom que continue a fazê-lo, e não apenas na memória da mais remota infância, mas como numa relação com outros "pais". E o suposto trauma da mudança de família, de nome e de referências, do constante stress que a indefinição do seu destino lhe causaria, tudo isso será atenuado. Mesmo porque a criança terá acompanhamento psicológico.

All's well that ends well.

quinta-feira, janeiro 08, 2009

Na Gaza dos Filisteus

Na Gaza dos Filisteus,

A mão que golpeia a ilharga é a mesma que estilhaça o crânio.

Dispõe a pedra na funda a sombra de Golias
E lança-a…
Efraim riposta com a catapulta
Jacob arremete em cheio com a espada.

De Gaza os filhos de Ismael gritam em fúria
e dos pulmões jorra o sangue
as pedras voam.
Os filhos de Isaac soltam as matilhas de molossos.

A pedra que golpeia a ilharga, a espada que estilhaça o crânio
em arremetidas repetidas, uma e mais uma e outra ainda, até milhares de fragmentos
que tingem o mar de escarlate e cinza
pois é impossível escapar por terra, para o deserto, para lá dos montes:
há o muro, um bando de leões de dentes de aço no caminho. A porta fechada na cara da urgência e do pânico.

Os filhos de Abraão
lutam por um lugar entre as estrelas do céu
que seu pai contemplou e contou.
Mas só restam os crânios rolados na praia, o sangue a excrescer da pele da fronte.